EN / PT
Galeria Luciana Brito

Augusto de Campos

LB News
1931
São Paulo, Brasil

Exposições

EXPOSIÇÕES INDIVIDUAIS SELECIONADAS

2019

Poemas e Contrapoemas. Luciana Brito Galeria, São Paulo, Brasil

 

2017     

O Pulsar. Luciana Brito Galeria, São Paulo, Brasil

Rever. Sesc Araraquara, Brasil

 

2016     

Rever. Sesc Pompéia, São Paulo, Brasil; Sesc Santo André, Brasil

 

2015     

Objetos e Poesia Visual. Galeria Paralelo, São Paulo, Brasil

 

2014     

Despoemas. Document Art Gallery, Buenos Aires, Argentina

 

2011     

Casa do Brasil, Bruxelas, Bélgica

Homenagem a Augusto de Campos. Projeto Fachadas, Rio de Janeiro, Brasil

 

2004     

Fundação Casa de Ruim Barbosa, Rio de Janeiro, Brasil

 

2001     

Poésie Concrète Brésilenne. Centre Internacional de Poésie, Marseille, França

 

1992     

SOS e Bomba. Estação Silicon Graphics, Laboratório de Sistemas Integráveis, Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, Brasil

pOes1e digitale. Annaberg, Alemanha

 

1991     

Poemas-laser. Avenida Paulista, São Paulo, Brasil

 

1975     

Caixa Preta (com Juio Plaza). Gabinete de Arte Raquel Arnaud, São Paulo, Brasil

 

EXPOSIÇÕES COLETIVAS SELECIONADAS

 2019      

Konkrete Poesie. Opelvillen Rüsselsheim, Alemanha

 

2018

Ruptura. Luciana Brito Galeria, São Paulo, Brasil


2017     

Concrete Poetry. Getty Research Institute, Los Angeles, EUA

 

2015     

Bienal do Mercosul. Santander Cultural, Porto Alegre, Brasil

Tendências do Livro de Artista no Brasil: 30 anos depois. Centro Cultural São Paulo, Brasil

 

2014     

Zurich 89. PlusZürich, Suíça

 

2013     

Visual Poetry – The Experimental Path of Intermedia Traditions in Latin America. Maddox Arts, Londres, Inglaterra

Artistas brasileiros e Poesia Concreta. Fundação Serralves, Porto, Portugal

A Human Document – From the Sackner Archive of Concrete and Visual Poetry. Pérez Art Museum, Miami, EUA

 

2012     

Poesia. Galeria Virgílio, São Paulo, Brasil

GIL70. Itaú Cultural, São Paulo, Brasil; Itaú Cultural, Brasília, Brasil

Aire de Lyon. Fundación Proa, Buenos Aires, Argentina

Grow Together: Concrete Poetry in brazil and Scotland. Visual Arts & Crafts, Dalcrombie, Escócia

 

2011     

Da Página para o Espaço: esculturas de papel publicadas. Fundação Serralves, Porto, Portugal

Biennale de Lyon, França

Cold America – Geometric Abstraction in Latin America (1934 – 1973). Fundación Juan March, Madri, Espanha

 

2009     

Bienal do Mercosul. Santander Cultural, Porto Alegre, Brasil

 

2008     

Laços do Olhar. Instituto Tomie Ohtake, São Paulo, Brasil

Obranome II. Caixa Cultural, Brasília, Brasil

Poesia Concreta – O Projeto Verbivocovisual. Galeria Alberto da Veiga Guignard, Belo Horizonte, Brasil

 

2007     

Tropicália: uma revolução na cultural brasileira. Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, Brasil

Arte como questão: anos 70. Instituto Tomie Ohtake, São Paulo, Brasil

Poesia Concreta – O Projeto Verbivocovisual. Instituto Tomie Ohtake, São Paulo, Brasil

 

2006     

Tropicália: A Revolution in Brazilian Culture. Barbican Art Gallery, Londres, Inglaterra; The Bronx Museum of the Arts, Nova York, EUA

Concreta 56: A Raíz da Forma. MAM Museu de Arte Moderna, São Paulo, Brasil

POEM / ART / 56’06. 50 Years of Brazilian Concrete Poetry. Sterling Memorial Library, Yale University, New Heaven, EUA

 

2005     

Tropicália: A Revolution in Brazilian Culture. Museum of Contemporary Art Chicago, EUA

 

2004     

Tudo É Brasil. Paço Imperial, Rio de Janeiro, Brasil; Itaú Cultural, São Paulo, Brasil

 

2003     

A Subversão dos Meios. Itaú Cultural, São Paulo, Brasil

Imagética. Casa Romário Martins, Curitiba, Brasil

Obranome. Caixa Cultural, Brasília, Brasil

 

2002     

Brazilian Visual Poetry. Mexic-Arte Museum, Austin, EUA

Caminhos do Contemporâneo: 1952/2002. Paço Imperial, Rio de Janeiro, Brasil

Ópera Aberta: celebração. Casa das Rosas, São Paulo, Brasil

Da Antropofagia a Brasília: Brasil 1920 – 1950. Museu de Arte Brasileira, São Paulo, Brasil

 

2000     

Arte Conceitual e Conceitualismos: anos 70 no acervo do MAC/USP. Galeria de Arte do Sesi, São Paulo, Brasil

Situações: Arte Brasileira anos 70. Fundação Casa França Brasil, Rio de Janeiro, Brasil

De la Antropofagia a Brasília: Brasil 1920 – 1950. Institut Valencià d’Art Modern, Valência, Espanha

 

1997     

Arte Suporte Computador. Casa das Rosas, São Paulo, Brasil

Poesia e Visualidade. Itaú Cultural, Campinas, Brasil

 

1996     

United Artists: utopia. Casa das Rosas, São Paulo, Brasil

Desexp(l)os(ign)ição. Casa das Rosas, São Paulo, Brasil

 

1995     

Livro-Objeto: a fronteira dos vazios. Museu de Arte Moderna de São Paulo, Brasil

 

1994     

22a Bienal de São Paulo. Fundação Bienal de São Paulo, Brasil

Livro-Objeto: a fronteira dos vazios. Centro Cultural Banco do Brasil, Rio de Janeiro, Brasil

 

1993     

Brasil: Segni d’Arte. Biblioteca Nationale Centrale di Firenze, Florença, Itália; Fondazione Scientífica Querini Stampalia, Veneza, Itália; Biblioteca Nazionale Braidense, Milão, Itália

Poésure et Peintrie. Centre de la Ville Charité, França

 

1991     

Poesia Concreta in Brasile. Archivio di Nuova Scrittura, Milão, Itália; Palazzo Doria Pamphili, Roma, Itália

100 Anos da Avenida Paulista. Avenida Paulista, São Paulo, Brasil

 

1990     

O Cobrador. Teatro Sérgio Cardoso, São Paulo, Brasil

Poesia Entre. Gabinete de Arte Raquel Arnaud, São Paulo, Brasil

 

1988     

Salão de Arte Contemporânea de Campinas. Museu de Arte Contemporânea José Pancetti, Campinas, Brasil

 

1987     

Palavra Imágica. Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo, Brasil

IDEHOLOGIA. MAC USP Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo, Brasil

 

1986     

Sky Art Conference. MAC USP Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo, Brasil;  CAVS MIT Center for Advanced Visual Studies, Boston, EUA

Concrete Poetry – The Early Years. Metropolitan Museum of Art, Nova York, EUA

TRILUZ. MIS Museu da Imagem e do Som, São Paulo, Brasil

 

1985     

Transcriar. Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo, Brasil; Centro Cultura São Paulo, Brasil

Arte e Tecnologia. Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo, Brasil

Tendências do Livro de Artista no Brasil – Arte Brasileira Atual. Galeria de Arte UFF, Niterói, Brasil

 

1984     

LEVEL 5. MASP Museu de Arte de São Paulo, Brasil

 

1982     

Arte pelo Telefone: Videotexto (computador / telefone / vídeo doméstico). MIS Museu da Imagem e do Som, São Paulo, Brasil

Arte Acesa. Anhangabaú, São Paulo, Brasil

 

1973     

12a Bienal de São Paulo. Fundação Bienal de São Paulo, Brasil

 

1970     

Concrete Poetry. Stedleijk Museum, Amsterdam, Holanda

 

1968     

Primeira Feira Paulista de Opinião. Teatro Ruth Escobar, São Paulo, Brasil

Concrete Poetry. Visual Arts Gallery, Nova York, EUA

 

1967     

International Concrete Poetry Exhibition. Brighton Festival, Inglaterra

 

1965     

Konkrete Dichtung. Studium Generale, Stuttgart, Alemanha

Between Poetry and Painting. Instituto of Contemporary Arts, Londres, Inglaterra

 

1964     

Espetáculo Popcreto (com Waldemar Cordeiro). Galeria Atrium, São Paulo, Brasil

 

1963     

Semana Nacional de Poesia de Vanguarda, Belo Horizonte, Brasil

 

1963     

Konkrete Dichtung aus Brasilien. Freiburg Universität, Alemanha

 

1961     

Internationale Manuskriptaustellung Konkrete Poesie. Verlag Kalender, Werkkunstschule, Wuppertal, Alemanha

 

1960     

Konkrete Texte, Studium Generale. Technische Hochschule, Stuttgart, Alemanha

Brazilian Concrete Poetry. National Museum of Modern Art, Tóquio, Japão

 

1957     

Exposição Nacional de Arte Concreta. Ministério de Educação, Rio de Janeiro, Brasil

 

1956     

Exposição Nacional de Arte Concreta. MAM Museu de Arte Moderna, São Paulo, Brasil

 

OBRAS DO AUTOR

 

O rei menos o reino. São Paulo, edição do autor, 1951.

Poetamenos (1953), 1a edição na revista-livro Noigandres nº 2, 1955, São Paulo, edição dos autores (2a edição, São Paulo, Edições Invenção, 1973).

Antologia Noigandres (com Décio Pignatari, Haroldo de Campos, Ronaldo Azeredo e José Lino Grünewald), São Paulo, edição dos autores, 1962.

Linguaviagem (cubepoem), limited edition of 100 copies, designed by Philip Steadman, Brighton, England, 1967, e na versão original, edição do autor, São Paulo, 1970.

Equivocábulos, São Paulo, Edições Invenção, 1970.

Colidouescapo, São Paulo, Edições Invenção, 1971; 2a edição, Sã Paulo, Amauta Editorial, 2006.

Poemóbiles (1968-74), poemas-objetos, em colaboração com Julio Plaza, São Paulo, edição dos autores, 1974; 2a edição, São Paulo, Brasiliense, 1985; 3a edição, São Paulo, Selo Demônio Negro, Annablume, 2010.

Caixa Preta, poemas e objetos-poemas em colaboração com Julio Plaza, São Paulo, edição dos autores, 1975.

VIVA VAIA (Poesia 1949 – 79), São Paulo, Duas Cidades, 1979; 2a edição, São Paulo, Brasiliense, 1986; 3a a 5a edição, São Paulo, Ateliê Editorial, 2014.

Expoemas (1980 – 85), serigrafias de Omar Guedes, São Paulo, Entretempo, 1985.

NÃO, poemas-xerox, edição do autor, 1990.

Poemas, antologia bilíngue, a cargo de Gonzalo M. Aguilar, Buenos Aires, Instituto de Literatura Hispanoamericana, 1994.

Despoesia (1979 – 1993), São Paulo, Perspectiva, 1994.

Poesia é risco (CD-livro), antologia poético-musical, de O Rei Menos o Reino a Despoemas, em colaboração com Cid Campos, Rio de Janeiro, Polygram, 1995.

Clip-Poemas, 16 poemas-animados digitais – exposição “Arte Suporte Computador”, São Paulo, Casa das Rosas, 1997.

Não (poemas). Anexo, o CD-Rom Clip-Poemas, São Paulo, Perspectiva, 2003.

Poétemoins – Anthologie, préface et traduction de Jacques Donguy. Les Presses du Réel, France, Dijon, 2011.

Profilogramas, São Paulo, Perspectiva, 2012.

 

ENSAIOS DIVERSOS 

 

Revisão de Sousândrade (com Haroldo de Campos), São Paulo, Edições Invenção, 1964 (2a edição, ampliada, São Paulo, Nova Fronteira, 1982).

Teoria da Poesia Concreta (com Décio Pignatari e Haroldo de Campos), São Paulo, Edições Invenção, 1965; 2a edição, ampliada, São Paulo, Duas Cidades, 1975; 3a edição Brasiliense, 1987; 4a e 5a edição, revistas, Ateliê Editorial, 2014.

Sousândrade – Poesia (com Haroldo de Campos), Rio de Janeiro, Agir, 1966; 3a edição, revista, 1995.

Balanço da Bossa (com Brasil Rocha Brito, Julio Medaglia, Gilberto Mendes), São Paulo, Perspectiva, 1968 (2a edição, ampliada: Balanço da Bossa e Outras Bossas, 1974).

Guimarães Rosa em Três Dimensões (com Haroldo de Campos e Pedro Xisto), São Paulo, Comissão Estadual de Literatura, Secretaria da Cultura, 1970.

Revisão de Kilkerry, São Paulo, Fundo Estadual de Cultural e Secretaria da Cultura, 1971 (2a edição, ampliada, São Paulo, Brasiliense, 1985).

Revistas Revistas: Os Antropófagos, introdução à reedição fac-similar da Revista da Antropofagia, São Paulo, Abril / Metal Leve S.A., 1975.

Reduchamp, com iconogramas de Julio Plaza, São Paulo, Edições S.T.R.I.P., 1976; 2a edição, Selo Demônio Negro, Annablume, 2010.

Poesia Antipoesia Antropogafia, São Paulo, Cortez e Moraes, 1978.

Pagu: Vida-Obra, São Paulo, Brasiliense, 1982.

À Margem da Margem, São Paulo, Companhia das Letras, 1989.

O Enigma Ernani Rosas, Florianópolis, Editora UEPG (Universidade Estadual de Ponta Grossa), 1996.

Os Sertões dos Campos (com Haroldo de Campos), Rio de Janeiro, Sette Letras, 1997.

Música de Invenção, São Paulo, Perspectiva, 1998.

 

TRADUÇÕES E ESTUDOS CRÍTICOS

 

Dez Poemas e E. E. Cummings, Rio de Janeiro, Serviço de Documentação – MEC, 1960.

Cantares de Ezra Pound (com Décio Pignatari e Haroldo de Campos), Rio de Janeiro, Serviço de Documentação – MEC, 1960.

Panorama do Finnegans Wake (com Haroldo de Campos), São Paulo, Comissão Estadual de Literatura, Secretaria da Cultura, 1962; 4a edição, ampliada, São Paulo, Perspectiva, 2001.

Poemas de Maiakóvski (com Haroldo de Campos e Boris Schnaiderman), Rio de Janeiro, Tempo Brasileiro, 1967 (2a edição, ampliada, São Paulo, Perspectiva, 1982).

Poesia russa moderna (com Haroldo de Campos e Boris Schnaiderman), Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1968; 6a edição, ampliada, São Paulo, Perspectiva, 2001.

Traduzir e Trovar (com Haroldo de Campos), São Paulo, Papyrus, 1968.

Antologia Poética de Ezra Pound (com Décio Pignatari, Haroldo de Campos, J. L. Grünewald e Mário Faustino), Lisboa, Ulisseia, 1968.

ABC da Literatura, de Ezra Pound (com José Paulo Paes), São Paulo, Cultrix, 1970.

Mallarmargem, Rio de Janeiro, Noa-Noa, 1971.

O Tygre, de William Blake, São Paulo, ediçãoo do autor, 1977.

Mallarmé (com Décio Pignatari e Haroldo de Campos), São Paulo, Perspectiva, 1978.

John Donne, o Dom e a Danação, Florianópolis, Noa-Noa, 1978.

Verso Reverso Controverso, São Paulo, Perspectiva, 1979.

20 Poem(a)s – E. E. Cummings, Florianópolis, Noa-Noa, 1979.

Mais provençais: Raimbaut e Arnaut, Florianópolis, Noa-Noa, 1982 (2a edição ampliada, São Paulo, Companhia das Letras, 1987).

Ezra Pound – poesia (com D. Pignatari, H. de Campos, J. L. Grünewald e M. Faustino). Organização, introdução e notas de Augusto de Campos), São Paulo, Hucitec, 1983.

Paul Valéry: a serpente e o pensar, São Paulo, Brasiliense, 1984; 2a ediçãoo, São Paulo, Ficções Editora, 2011.

John Keats: ode a um rouxinol e ode sobre urna grega, Florianópolis, Noa-Noa, 1984.

John Cage: de segunda a um ano, introdução e revisão da tradução de Rogério Duprat, São Paulo, Hucitec, 1985; 2a edição, Rio de Janeiro, Cobogó, 2013.

40 Poem(a)s – E. E. Cummings, São Paulo, Brasiliense, 1986.

O Anticrítico, São Paulo, Companhia das Letras, 1986.

Linguagem, São Paulo, Companhia das Letras, 1987.

Porta-retratos: Gertrude Stein, Florianópolis, Noa-Noa, 1990.

Hopkins: Cristal Terrível, Florianópolis, Noa-Noa, 1991.

Pré-Lua e Pós-Lua, São Paulo, Arte Pau Brasil, 1991.

Rimbaud Livre, São Paulo, Perspectiva, 1992.

Irmãos Germanos, Florianópolis, Noa-Noa, 1993.

Rilke: poesia-coisa, Rio de Janeiro, Imago, 1994.

Hopkins: a beleza difícil, São Paulo, Perspectiva, 1997.

Poesia da recusa, São Paulo, Perspectiva, 2006.

Quase-Borges + 10 Transpoemas, São Paulo, Memorial da América Latina, 2006.

Emily Dickinson – não sou ninguém, São Paulo, Unicamp, 2008.

August Stramm: Poemas-Estalactites, São Paulo, Perspectiva, 2008.

Byron e Keats: Entreversos, São Paulo, Unicamp, 2009.

Poética de os Sertões, São Paulo, Casa Guilherme de Almeida, 2010.

Poem(a)s – E. E. Cummings (edição revista e ampliada), São Paulo, Unicamp, 2011.

Coisas e Anjos de Rilke (edição revista e ampliada), São Paulo, Perspectiva, 2013.

Quase borges – 20 Transpoemas e uma entrevista, São Paulo, Selo Musa Rara, Terracota, 2013.

 

Coleções Públicas

Archivo LaFuente, Madrid, Espanha

Fondazione Bonotto, Vicenza, Itália

Getty Museum, Los Angeles, EUA

IKKP Institut für Konstruktive Kunst und Konkrete Poesie, Kunsthaus Rehau, Alemanha

MALBA Museu de Arte Latino-Americana de Buenos Aires, Buenos Aires, Argentina

Max Bense & Elisabeth Walter, Stuttgart, Alemanha

MoMA, Nova York, EUA

Museion Museo d’Arte Moderna e Contemporanea di Bolzano, Tirol, Itália

Museo d’Arte Moderna e Contemporanea di Trento e Roveretto, Trento, Itália

Museo Nacional Reyna Sofia, Madrid, Espanha

Pérez Art Museum, Miami, EUA

 

The Sackner Archive of Concrete and Visual Poetry