EN / PT
Galeria Luciana Brito

LB/Festival de Vídeo Online

A cada semana, a partir do dia 28 de abril, a Luciana Brito Galeria disponibilizará um novo vídeo, uma nova experiência, que ficará em nosso site por tempo indeterminado. Assim, você pode ver e rever, quantas vezes e quando quiser. O objetivo é propor uma reflexão sobre um conjunto significativo de trabalhos tanto de artistas que são representados por nós, quanto de outros que achamos relevantes para a proposta. O vídeo da semana é “Una Milla de Cruces Sobre el Pavimento” (1979), de Lotty Rosenfeld (Chile). Acompanhe!

 

Curadoria: Analivia Cordeiro
Texto Curatorial: leia aqui

LB News

Una Milla de Cruces Sobre el Pavimento, 1979

 

vídeo

duração: 04’29” 

Chile

© Gallery 1 Mira Madrid

 

“Una Milla de Cruces Sobre el Pavimento” (1979) de Lotty Rosenfeld é uma primeira "ação artística" às linhas divisórias das estradas que busca interrogar os mandatos e convocar o indivíduo transeunte para remodelar criticamente a experiência que o mantém cativo à ordem cotidiana.

Lotty Rosenfeld

 

1943, Santiago, Chile.

2020, Santiago, Chile.

 

Os sinais pelos quais a circulação está organizada – bens, sujeitos, políticas, violência – têm sido os pilares do trabalho visual de Lotty Rosenfeld. Desde que realizou seu gesto de intervir nas linhas que dividem as vias de trânsito das avenidas de Santiago (1979), onde inscreveu seu emblemático sinal +, uma forma específica de questionar os mandatos foi criada literalmente e simbolicamente. Isso trouxe uma desconstrução da aparência natural de diversas ordenanças, pois a partir de uma aparente simplicidade, a primeira incursão visual instalou uma proliferação dos sentidos, e pensava-se ser um cidadão, rebelde e ação de arte de rua. Conceito que buscou a rua justamente quando o espaço público era ocupado pelo regime militar violento, invasivo e excludente. Assim, o trabalho de Rosenfeld implicava uma escolha estética e política. A construção desse signo + foi expandindo e iniciou uma nova etapa estética-teórica, na medida em que o sinal foi estabelecido como uma reclamação e confronto oposto a outros espaços hegemônicos de poder. Desta forma, o sinal se transformou em "arma crítica".

 

Desde 1985, Lotty Rosenfeld buscou estabelecer novas conexões, integrando-se às matrizes visuais de trabalho que continuaram apontando para a mecânica desconstrutiva, através do reprocessamento de imagens tiradas da televisão pública.

  • Thumb_3

    Una Milla de Cruces Sobre el Pavimento, 1979

    Lotty Rosenfeld

  • Thumb_frame_alvos

    Alvos, 2017

    Lenora de Barros

  • Thumb_frame_ituporanga

    Ituporanga, 2010

    Caio Reiseiwtz

  • Thumb_frame_nas_coxas

    Nas Coxas, 2018

    Héctor Zamora

  • Thumb_frame_non_plus_ultra

    Non Plus Ultra, 1985

    Tadeu Jungle

  • Thumb_frame_hacasas

    Há Casas, 2018

    Rochelle Costi

  • Thumb_opcao_1_frame_0_45

    0=45 Versão I, 1974

    Analivia Cordeiro

  • Thumb_frame_dormindo_acordada

    Dormindo Acordada, 2011

    Fabiana de Barros & Michel Favre

  • Thumb_frame_earthwork_10.23.58

    Earthwork, 1972

    Anthony McCall

  • Thumb_frame_pulsar

    O Pulsar, 1975

    Augusto de Campos

  • Thumb_frame_actualidades

    Actualidades / Breaking News, 2016

    Liliana Porter

  • Thumb_screen_shot_2020-05-15_at_09.18.39_2

    Places of Power, Waterfall, 2013

    Marina Abramovic

  • Thumb_screen_shot_2020-05-07_at_09.30.43

    Campo, 1976

    Regina Silveira

  • Thumb_tumitinhas_1

    Tumitinhas, 1998

    Eder Santos

  • Thumb_frame_corda

    Corda, 2014

    Pablo Lobato

  • Caio Reisewitz, "Ituporanga", 2010
    1/9

Aqui você verá vídeos históricos. Enquanto uns são praticamente inéditos, outros são consagrados pela história da arte. Em seus mais de 50 anos de existência, a vídeoarte é uma mídia que se caracteriza por sua enorme flexibilidade. Os formatos destes vídeos passaram por mais de dez variações: desde o início, com as grossas fitas U-Matic ou Betacam, por exemplo, até os pequenos e atuais pen-drives com suas enormes capacidades. Conhecer as transformações as quais essas obras sofreram é, hoje em dia, muito mais interessante do que se poderia pensar, considerando a acessibilidade atual da tecnologia, além da possibilidade de conhecer as fontes originais nos faz compreender que são justamente esses instrumentos que formatam o nosso mundo e a nossa percepção. Esta exposição tem o objetivo de mostrar como esses dispositivos existentes no passado podem nos ajudar a compreender e complementar o resultado artístico como um todo. 

 

O modo de exibição também variou muito: hoje existem inúmeras plataformas, desde celulares de pequena dimensão, até projetores 4K – Ultra HD, com grande extensão e qualidade excepcional. Mais uma vez, seguindo os rumos e as necessidades da nossa história, essa arte se reinventa e adquire um valor único quando entendemos, sentimos, compartilhamos e discutimos sua capacidade em traduzir um momento histórico, um lugar geográfico específico, ou mesmo um comportamento particular que se torna universal.

 

Neste momento de isolamento social, a câmera de vídeo ganhou status de principal meio de comunicação visual, o único canal entre aqueles a quem queremos comunicar. Com isso em mente, podemos avaliar o significado de se expressar através de uma câmera. Podemos ainda compreender melhor a razão da qual os artistas escolheram este recurso para contar suas histórias e se posicionar no mundo, ressignificando-o através das lentes e do olhar do espectador. 

 

 

Mesmo hoje sendo tão próxima de nós, a câmera de vídeo nos impõe condições e a principal delas é que tudo o que queremos expressar deve se encaixar dentro de um retângulo, presente em todos os dispositivos de exibição de vídeo, desde aparelhos celulares até datashows. Ao mesmo tempo, há o desafio de fazer com que o espectador perceba a mensagem e seja instigado a imaginar o que acontece fora deste retângulo. É um jogo, e ao mesmo tempo, uma ditadura: a ditadura do retângulo. Nessa obrigação de enquadrar o mundo dentro de um espaço restrito condicionamos nosso cérebro a pensar assim e nossa percepção se altera de acordo com esses padrões. Vemos a realidade como algo a ser adaptado pelo nosso principal instrumento atual de expressão: o vídeo. 

 

O vídeo é visual e sonoro, mas é a realidade que nos oferece as sensações físicas. O grande desafio para o artista, dessa forma, é transmitir a riqueza e a complexidade da realidade com os recursos limitados dessa tecnologia. É intrigante observar como a genialidade e talento de cada artista provoca em nós sensações que vão além das restritivas soluções técnicas e até das experiências humanas. Através desse retângulo e dos recursos audiovisuais, cada artista cria sua poética e compõe uma obra única. Além disso, independente da percepção individual do espectador, há de se considerar o significado histórico e artístico contido em cada vídeo. É importante ainda apreciar os aspectos diversos do contexto de cada período, seus valores e possibilidades. Por isso, cada uma dessas obras pode ser vista mais de uma vez, e a cada oportunidade surge um novo olhar, assim como acontece com as telas penduradas nas paredes. Assim como a pintura, o vídeo também é uma tela, mas com movimento e som: este é o princípio base da vídeoarte. 

 

 

Nenhuma outra mídia conseguiu trilhar tão bem o caminho para a contemporaneidade como a vídeoarte. Ao longo de sua trajetória foi eliminando os obstáculos, aperfeiçoando-se, até conquistar seu lugar definitivo nas artes visuais. Não só foi assimilada como recurso pelas mais diversas linguagens, como carrega em si a capacidade de agregar os elementos da arte, como por exemplo a tradição clássica da tela emoldurada ou a narrativa literária. Nesse sentido metalinguístico, como ela pode ser renovadora? Pense nisso enquanto assiste aos vídeos. 

 

Os vídeos aqui escolhidos para serem apresentados online são legítimos, de alta qualidade artística, concebidos primeiramente para serem mostrados em formato original. Trata-se de uma curadoria genuína e autêntica, realizada para transmitir as ideias e as formas de pensamentos que nos fazem pensar, além de nos envolver com as poéticas intrigantes das épocas em que foram concebidos.

 

Ao assistir aos vídeos, permita-se transportar para o período em questão: anos de 1970, 80, 90 ou os anos 2000, e ao mesmo tempo experiencie com eles o que há de universal e duradouro.

 

 

Analivia Cordeiro,

março 2020

 

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

 

Analivia Cordeiro, PhD, bailarina, coreógrafa, videoartista, arquiteta, pesquisadora corporal, curadora da coleção Waldemar Cordeiro. Considerada a primeira videoartista do Brasil (1973) e uma das pioneiras da computer dance mundial, criou vídeos, espetáculos multimídia, o software Nota-Anna de notação de movimento humano e um sistema de alfabetização de português em vídeo. www.analivia.com.br

Em breve você verá aqui a programação completa da exposição.